Um olhar sobre o mundo Português

A edição desta semana dá voz  aos insurrectos, os que saem fora da norma e seguem a sua própria voz, como os meus convidados. 

h facebook h twitter h pinterest

Yvette Vieira

Yvette Vieira

segunda, 21 março 2011 00:00

Miguel, o insubmisso

dsc00142

Súplica

Agora que o silêncio é um mar sem ondas,
E que nele posso navegar sem rumo,
Não respondas
Às urgentes perguntas
Que te fiz.
Deixa-me ser feliz
Assim,
Já tão longe de ti como de mim.

Perde-se a vida a desejá-la tanto.
Só soubemos sofrer, enquanto
O nosso amor
Durou.
Mas o tempo passou,
Há calmaria...
Não perturbes a paz que me foi dada.
Ouvir de novo a tua voz seria
Matar a sede com água salgada.

 

O dia Mundial da Poesia foi ontem, de qualquer forma quero homenagear o escritor, ensaísta e também poeta de Coimbra, Miguel Torga. Através de um dos seus mais singelos livros, os novos contos da montanha.


A escrita de Miguel torga, pseudónimo de Adolfo Correia da Costa, teve sempre uma forte carga emocional . Os novos contos da Montanha são disso prova. Este livro retrata o quotidiano do povo , das almas penadas como lhes chama, do Portugal serrano descrito pelo do autor, nascido no Norte profundo, que nunca esquece as suas origens. Não espere desta obra uma epopeia literária, leia com respeito e compreensão, porque como o próprio escritor refere no prefácio, justificando a necessidade que sentiu em retratar este mundo transmontano e cito: "Prometi isso porque me sentia humilhado com tanto surro e com tanta lazeira, e envergonhado de representar o ingrato papel de cronista de um mundo que nem me pode ler".

O tal mundo rural que descreve neste livro, é o país dos anos 60, pobre, isolado e analfeto que tanto o comoviam, e ao mesmo tempo entristeciam o escritor. Como podemos ler esta obra? Como quisermos, podemos abri-lo em qualquer dos contos e deliciar-nos com as singelas personagens que desfilam pela escrita de Miguel Torga. Trata-se uma leitura fácil e acessível para o leitor e um clássico da literuratura portuguesa, muitas vezes esquecido, mas que não deixa de emociar-nos pela delicadeza e ao mesmo tempo crueza como descreve os seus irmãos serranos. Destaco três dos personagens que mais gosto, a Mariana , o pastor Gabriel e o Alma grade, cada um destes contos descreve as pessoas que viviam nas serranias e a sua maneira de estar na vida dominados e despendentes da natureza, dos seus animais e das suas crendices. Longe de tudo, do poder, da política que nada lhes dizia e onde a igreja dominava, porque o dia-a-dia era uma labuta constante pela sobrevivência. Espero que gostem e leiam sempre... uma e outra vez. Boa leitura

sexta, 28 dezembro 2012 16:58

Roberto Gomes, um espírito indomável

b.d2

É um dos nomes mais promissores da BD em Portugal e recentemente ilustrou a vida de um herói da república. Um trabalho que não esgota o seu talento pouco reconhecido no nosso país.

Como surgiu a tua paixão pela Banda Desenhada?

Roberto Gomes : Os primórdios mesmo foram na escola secundária, onde conheci um dos meus melhores amigos, que já desenhava com frequência. Eu já o fazia mas nunca com muita seriedade, ou mesmo que havia profissões que utilizem o desenho. E ao vê-lo desenhar, tive uma epifania, quando vi a BD e reparei que existiam pessoas por detrás disto, e ai caiu-me a ficha e eu me apercebi, que se eu desenha-se e continua-se a treinar, eu poderia desenhar como aquele rapaz. E foi assim.

E em termos de carreira?

RG: Isso foi muito mais tarde e não sei se posso dizer que tenha criado nome na banda desenhada. As oportunidades têm sido muito poucas. Eu tenho formação em design gráfico e a BD surgiu mais como algo secundário, a partir de determinada altura. E quando surgem projectos, eu vou alternando. A BD apareceu na faculdade, quando eu frequentei um workshop com um artista bastante conceituado que é o José Carlos Fernandes, e que depois mostrou interesse pelo meu talento. E propôs-me um desafio, ele tinha um conjunto de histórias na gaveta que ele pretendia entregar a outros desenhadores para fazerem algo diferente. E propôs-me desenhar uma história, eu ilustrei, ele gostou e daí resolvemos fazer um livro de 72 páginas. Pertence a uma colecção intitulada,”the black book histories”. Já saiu o volume um, com outro desenhador e o meu é o volume dois, que têm como subtítulo “Mar de Heraldo”.

Guia-nos pelo processo de criação de um livro de arte sequencial.

RG: O José Carlos escreve pequenas histórias e não guiões e o desenhador tem a liberdade de as interpretar como quiser. O desenhador constrói a sequência de imagens, um storyboard, decide através das palavras dos textos o que deve ser representado por imagens, aí as palavras deixam de fazer sentido, algumas cortam-se no texto para não haver redundância com o que esta ser imaginado e basicamente é isso. Ou seja, nós criamos as imagens sequenciais.

E qual foi o teu maior desafio? E o mais difícil?

RG: O último livro que desenhei foi o José Mendes Cabeçada Júnior, um espírito indomável. Era a cerca da vida de uma figura histórica e tínhamos que condensar uma existência, cheia de factos importantes em 40 páginas. E isso foi um desafio. E os prazos nunca são alargados e é uma grande responsabilidade, tinha que ter uma aparência final com qualidade e contar bem a história. E depois foi encomendado pela Câmara Municipal de Loulé e eles queriam que fosse o José Carlos a desenhar, mas ele tinha muito trabalho e não podia. Então eu decidi basear-me no estilo dele, acrescentando o meu, e criando uma simbiose com as minhas particularidades e as dele, ou seja, do que costuma fazer nas suas BD. E assim nasceu este livro único, com pequenas influências do José Carlos e que têm o meu desenho.

 

terça, 01 março 2011 00:00

O bazar alemão

bazar

É a mais recente obra de ficção da escritora madeirense que aborda um período conturbado da historia do século vinte, a segunda guerra mundial, num contexto diferente do habitual. É a história da presença de nazis numa ilha perdida algures no Oceano Atlântico.

Sempre gostei de romances históricos porque, por norma os escritores têm sempre o cuidado de contextualizar as figuras principais do enredo num tempo e espaço o mais próximo dessa mesma realidade. Romanceiam a interacção entre os personagens, mas isso torna a narrativa mais interessante e ajuda a “prender” o leitor. Quando a escrita é fluída e clara, sentímo-nos transportados para essas paragens sem nunca lá ter estado. Descrevem o quotidiano das gentes, os objectos e os gestos que nos são estranhos, mas que ajudam à narrativa. “Viajamos” sentados no sofá e esse deleite que só os melhores nos fazem sentir. Por isso, quando pela primeira vez dei de caras com esta publicação fiquei deveras surpreendida e intrigada pelo título. A seguir fiquei ainda mais assombrada com o enredo, uma vez que, desconhecia esse capítulo da história da Madeira.

A minha noção da 2ª Grande Guerra foi-me transmitida pelos meus pais, que recordavam uma infância pautada pela grande escassez de víveres na ilha na altura, e mais, uma má recordação olfactiva que acompanhou, em particular, o meu pai, com os famosos candeeiros com óleo de baleia. Até hoje quando fala sobre esse período, recorda que não podiam ter as luzes acesas, as janelas eram cobertas com lençóis escurecidos para não deixar passar a mais pequena franja de luz, já que os aviões de guerra sobrevoam a ilha e a única forma de iluminação aceitável, disponível e barata, era alvo do desagrado de todos devido ao seu cheiro nauseabundo, mas não me recordo de nenhuma referência aos nazis. Aliás, foram esses os motivos que me levaram a ler este livro. E pela primeira vez, se levanta o véu de uma sociedade Funchalense que até então desconhecia, uma vez que, as reminiscências de que falei eram no meio rural de onde os meus pais eram originários, e como a política também chega a um ponto aparentemente algures perdido no Oceano Atlântico.

A Helena Marquês conta-nos com rigor, a história dessas várias personagens que se cruzam em vários pontos da ilha e das suas fragilidades como seres humanos. A acção centra-se nas acções de intimidação perpetuadas pelos Nazis em solo madeirense e a perseguição que encetaram aos judeus locais. Leiam e deliciem-se. É quase num fôlego. E mais não digo, para isso terão de o ler! Boa leitura.

 

segunda, 14 março 2011 00:00

O amor negro

marcl

Uma obra literária de Mário Cláudio que não é um romance, mas sim o relato de várias vidas enclausuradas. É uma pisco-reportagem de comuns mortais imortalizados pela caneta do autor.

A Ursamaior é um livro que percorre a vidas de várias pessoas que por diversos motivos, (e poderão constatar quais na vossa leitura) vão parar a cadeia. As histórias não estão interligadas entre si, nem sequer os “personagens”, aliás são todos casos reais, o único elo porventura é o espaço prisional.

Esta publicação têm um carácter muito pessoal para mim, uma vez que o seu conteúdo foi debatido nas aulas com o próprio autor, Mário Cláudio que  foi um dos docentes da minha faculdade.

Das pequenas histórias que constam desta psico-reportagem, designação criada pelo próprio, houve uma que nunca esquecerei porque levantou uma discussão acesa na sala de aula, o drama de Henrique, o estudante de medicina que mata a sua ex-namorada, em pleno dia, na universidade que ambos frequentavam. O inquietante Mário Cláudio interrogou-nos se haveria o chamado amor negro?

Um amor que desconhece o constante sorriso nos lábios, a felicidade de estar na companhia de alguém que nós ama e a partilha daqueles momentos e sensações inesquecíveis e da cumplicidade implícita.

Será que há um amor feito de ansiedades quase doentias pela presença do ser amado, de troca de insultos de recriminações que terminam em autênticas batalhas, de tristeza sim, por não conseguir arrancar da alma a necessidade de estar ali colado a aquela pessoa com que...não podemos viver com ela, nem sem ela?

Ou será que o crime que Henrique cometeu resultou apenas de um ciúme doentio pela perda da algo que tinha como seu? Para responder a estas duas questões... sim, vai ter que ler! Sim, é verdade, sou uma desmancha-prazeres. Que horror! LER? Não podia desembuchar tudo logo! Não, leia, pense e reflicta. Só posso adiantar que Mário Cláudio considera que o Henrique não é mentalmente instável.

Quanto as conclusões do debate que se gerou na nossa sala, apenas posso dizer que o resultado foi inconclusivo. Havia aqueles que defendiam a existência de tal coisa, o tal amor negro e outros que pura e simplesmente argumentaram que isso não passava de um termo romântico para justificar um comportamento de si inaceitável. Leia e decida. Boa leitura!

terça, 01 março 2011 00:00

Full house, as apostas estão lançadas

É a história de um jogador inveterado de poker e as peripécias que estão na origem de uma série de problemas. Uma curta-metragem de Rui Rodrigues e Bruce Paulino da Silva que, ao contrário do nosso anti-herói foram à luta e venceram.

Como surgiu a ideia para este filme?

Rui Rodrigues: Foi uma ideia de café que surgiu com o Bruce que é outro realizador. Havia na Madeira a mentalidade que não se faz nada, que só se consegue fazer algo se houver apoios. E eu e o Bruce decidimos fazer um filme sem a ajuda de ninguém. Eu tinha um folha de rascunho com uma história, e ele disse também. Conhecia-mos a Die4films, vamos falar com eles e arriscar. Éramos dois miúdos sem formação na área, mas com muita vontade de levar o projecto para frente. Contactamos a produtora e eles gostaram da ideia. Começamos por trabalhar o guião, desenvolvemos a história e tornou-se sólido. Foi então apresentado aos actores, na altura fazíamos teatro e eles eram nossos amigos e surgiu o FullHouse. O filme foi uma chapada psicológica para todos aqueles artistas que vivem naquele mundo em que só podem fazer arte se tiverem apoios. Um artista pega pela naquilo que têm trabalha e expõe. Nós queríamos ver até podíamos ir. Ganhamos o festival cá na Região, mas também concorremos ao Festival de Cannes. O curioso é que conseguimos mostrar a curta-metragem primeiro lá, do que aqui. Foi estranho.

 Qual foi a reacção em Cannes a vossa curta?

RR:Eles gostaram. E acharam que foi boa para uma primeira experiência.

 E cá?

RR:No Festival Internacional do Funchal? Foi muito bom. Os jornalistas e os críticos de cinema disseram-nos: é bom, esta porreiro, para a primeira abordagem está cinco estrelas. A história é que já estava batida, é poker que dá para o torto, onde há sangue por todo o lado, mortos e feridos. É a tal coisa, somos dois jovens que adoram cinema e daí juntamo-nos e vamos fazer um filme, uma daquelas loucuras que surgem no momento.

 Se não tinhas qualquer formação na área, como foi que te surgiu essa necessidade de escrever pelo menos um rascunho?

RR: São coisas que escrevemos e não sabemos o porquê. Era engraçado fazer isto e apontei. E quando o Bruce falou em fazer filme, eu lembrei-me logo do papel. Há momentos na vida em que fazemos determinadas coisas e não sabemos porquê. Acho que toda a gente tem uma fase em que, vamos fazer isto e ver se dá frutos no futuro. E deu.

 

quarta, 12 dezembro 2012 17:19

Contribuidores

Este é um espaço de divulgação de todos os grupos, associações e entidades culturais que desde o princípio apoiaram a yvi.

 


  • paparazzi moda
    Paparazzi
  • CARTAZ TEATRO V2
    Balas&Bolinhos

terça, 01 março 2011 00:00

Uma produtora de filmes to Die4

Surgiram há quatro anos e apesar de serem uma pequena empresa, estão à procura o seu lugar ao sol no mercado global. Têm como objectivo abordar de uma forma contemporânea o fazer imagem e acima de tudo contar histórias sobre mundos paralelos.

Não é limitante ter uma produtora de filmes numa ilha?Marta León: Acho que não, porque temos trabalhado para fora, claro que existem limitações geográficas e não há nada, os nossos conteúdos são para Internet e são produzidos para esse efeito. A plataforma não é física.

Então houve uma forte aposta no mercado global?
Filipe Ferraz: Sim o objectivo é esse, há algumas limitações contudo. Estamos longe dos centros de decisão, estamos também longe de clientes que se calhar tem mais visibilidade. Mas, mesmo com esses "obstáculos" decidimos abrir a empresa cá, até porque hoje em dia, com a comunicação online é tudo mais fácil para chegar a esses tais clientes.
ML: O nosso maior trabalho têm sido sempre os documentários. Depois apoiamos outros projectos como a curta do Rui que foi algo que quisemos fazer que, é de ficção e foi aprovada nesse sentido, mas o nosso mercado é mais a publicidade o que as empresas mais necessitam, que tem sido algumas para televisão, mas sobretudo na Internet, vídeos promocionais e alguns eventos. Ajudamos ainda equipas de filmagens que vêm de fora. Esse aspecto é muito interessante porque aprende-se muito e precisam sempre de alguém que conheça o terreno. Depois, nós conhecemos as entidades, e por outro lado, torna o nosso trabalho mais internacional.

Foi difícil implementar uma produtora na Madeira?
FF: Ao início foi. Nós começamos de uma maneira muito activa que foi a apresentar projectos, implementar propostas em algumas empresas, ou entidades que achávamos que necessitavam de melhorar a sua imagem institucional. Foi difícil enquanto não tínhamos nada para apresentar, a partir de certa altura, já não tínhamos apenas argumento, mas sim trabalhos que já realizados. E nesse fase, as pessoas gostaram da nossa maneira de fazer vídeo, contar uma história e da nossa forma de transmitir a informação.

Das diferentes vertentes que abordam, qual a vossa preferida?
ML: Eu gosto dos documentários. Porque obriga a entrar mesmo na história e as pessoas de quem estamos a trabalhar. Obriga-nos a perceber de que estamos a falar e a estudar. Gosto também de qualquer área da produção, mas o que mais me agrada é de dar acompanhamento de equipas de filmagem de fora, porque permite-me o contacto com pessoas diferentes, de diversas áreas e acho isso muito estimulante, motivaste e faz-nos crescer.
FF: Ao igual que a Marta gosto mais do documentário, porque estamos 3 meses a filmar uma história com meia dúzia de pessoas num mundo que não é o nosso. Há muitas pessoas que passam por nós na rua, das quais não sabemos nada e de repente nos apercebemos que existem uma série de mundos ao lado dos nossos e é isso que queremos contar. Na ficção, eu não sei se gosto ou não. Estou a entrar com muito esforço.

Porquê?
FF: Por falta de experiência e prática. É necessário lidar com actores, em oposição no documentário falamos com as pessoas e da sua vida, é real. Nos filmes temos de dizer, agora dá um passo para trás, agora ri. Ainda não encontramos a nossa maneira de trabalhar em ficção.
ML: No documentário temos de conquistar as pessoas com quem vamos trabalhar para que se sintam à vontade para contar as suas coisas e esquecerem-se que a câmara esta ali. Enquanto na ficção, não podemos esquecer que ela está ali, e tudo é feito para a Câmara. E nós temos de educar as pessoas que se colocam em frente da lente. No documentário não, o desafio é outro, é necessário criar a proximidade nesse mundo.

Qual foi o documentário que mais vós marcou?
ML: Para mim o corpo eléctrico do grupo de dança com a diferença, pelo próprio tema. É um grupo de dança inclusiva, têm pessoas no elenco sem deficiência e com deficiência motora e não só.
E foi...faz-nos ver tudo de outra forma. Não sei, é a fragilidade do corpo que me interessa muito e da forma como o Filipe explorou em termos de realização. É um tema que é muito próximo, bem já era. E trabalhar nele foi um privilégio.
F: O corpo eléctrico pelas mesmas razões que a Marta enunciou e porque era o primeiro que estávamos a fazer da nossa cabeça, tive também de aprender como fazer e foi desafiante.

www.die4films.com
www.facebook.com/pages/die4films/327625292756
http//vimeo.com/9780060

domingo, 27 março 2011 00:00

Os mistérios de Lisboa

Um filme de Raúl Ruiz baseado no folhetim de Camilo Castelo Branco, que retrata o Portugal do século XIX.

A nossa narrativa começa com o jovem Pedro da Silva, órfão de pai e de mãe, que ao longo do filme irá desvendar o segredo bem guardado da sua existência, fruto de uma paixão proibida. O enredo maravilhoso do escritor romântico Camilo Castelo Branco, ao contrário de muitas adaptações para o grande ecrã, não fica castrado no filme do realizador, Raúl Ruiz. Sendo como todos os grandes romances, a história de um amor proibido e maldito, lacrado com sangue suor e lágrimas, têm, contudo, algo muito próprio, o olhar muito pessoal do realizador chileno que nos guia por um país dominado por convenções sociais e pela Igreja católica.

Não se trata apenas de um filme de época. Todo o turbilhão de emoções, de paixão e amor, de ódio e morte, de aventura e desventura, são universais e inerentes ao ser humano. Quem já não arriscou para amar? Quem não sofreu por amor?

O maravilhoso grupo de actores é um dos pontos-chave dos "Mistérios de Lisboa", por isso é um filme a não perder. A cidade é também protagonista neste trabalho cénico de Raúl Ruiz, vemos imagens de uma Lisboa dominada pelo conceito arquitectónico do Marquês de Pombal. Houve um cuidado também acrescido com a caracterização dos personagens que integram o enredo deste filme.

O trabalho da actriz Maria João Bastos é de Louvar. Ela é a Ângela Lima, uma das personagens chave deste filme português, que vive uma paixão proibida que gera uma criança. O Adriano Luz é o padre Diniz e faz um trabalho notável, pela densidade que confere a este pároco. Um personagem cheio de mistérios e que intimida com a sua bata negra. Bom cinema.

www.misteriosdelisboa.com/pt/

segunda, 21 março 2011 00:00

Rasganço

 

Um filme de Raquel Freire que têm como cenário de fundo o mundo académico de Coimbra, dos seus encantos e desencantos.

Já dizia a música, Coimbra tem mais encantos na hora da despedida e com esse ritual do fim do curso que começa a história de Edgar que acaba de chegar a cidade e começa a desvendar as regras que regem os estudantes e a academia. Coimbra é uma das personagens como a própria diz: Eu não sou só uma cidade. Sou uma estufa. Uma reserva natural para estudantes, onde eles vivem em plena liberdade. Sou uma espécie de doce, entre a adolescência e a idade adulta. Mas só para os que puderam estudar. Os melhores. Eles sabem que são uma elite. Uma manhã de Janeiro chegou um homem. Apaixonou-se por mim e pelas minhas mulheres.Tolo, não percebeu que EU não sou para quem quer, mas para quem pode; e que o amor não abre as minhas velhas portas.


Para aqueles que não conhecem o mundo académico, posso esclarecer que há regras para entrar, estar e sair. E é essa essência do filme, as leis implícitas de uma forma de vida estranha para alguns, elitista para outros, analisada sob óptica do Edgar, que está do lado de fora. Não é doutor, nem engenheiro e ao longo da sua "educação" apaixona-se e desapaixona-se ao ponto do ter asco deste mundo que lhe é mostrado por três mulheres completamente diferentes na sua maneira de estar e de viver a academia. No meio há um crime que não vou deslindar, têm de ver. Paciência.

Desta longa-metragem do que mais gosto é da fotografia porque as imagens são de uma grande beleza estética. Reconhecemos todos os recantos românticos, as ruelas obscuras e as batas dos estudantes cirandando pela cidade. O som é um dos problemas mais incompreensíveis do cinema, está sempre num tom mais abaixo do que habitual, não percebo! Alguém há-de explicar este fenómeno misterioso que ataca muitos dos filmes portugueses.

Pág. 129 de 129
FaLang translation system by Faboba

Podcast

Eventos

loading...