Um olhar sobre o mundo Português

ptenfrdees

 

h facebook h twitter h pinterest

O Crocodilo ou o Extraordinário Acontecimento Irrelevante

Escrito por  Mafalda Simões fts Mário Galiano

O Crocodilo ou o Extraordinário Acontecimento Irrelevante de Rui Neto a partir de Dostoievski, no São Luiz Teatro Municipal,  de 31 de Janeiro a 9 de Fevereiro.

Texto e Encenação Rui Neto.

Intérpretes Ana Guiomar, Miguel Raposo, Miguel Sopas, Rui Melo Músico Dinis Oliveira.

Desenho de luz João Rafael Silva.

Sonoplastia Cristóvão Campos.

Cenografia, Figurinos e Espaço Cénico Rui Neto Estrutura Cénica Rui Miragaia.

Assessoria de Imprensa Mafalda Simões.

Assistência Solange Freitas.

Produção Executiva Nuno Pratas - Culturproject Co-Produção Teatro Municipal São Luiz e LOBOMAU – Produções Apoio à Criação Fundação GDA Parceiros DuplaCena, El Corte Ingês, Lacoste, Teatro da Terra Duração.

Ivan é devorado por um crocodilo. O insólito é que sobrevive, sem nenhum arranhão, dentro do estômago do exótico animal. Todas as tentativas para o retirar de lá revelam-se infrutíferas, face às burocracias de um País, política e economicamente, virado do avesso.

O Crocodilo ou O Extraordinário Acontecimento Irrelevante surge de uma reescrita do conto KroKodil, de Dostoievski. A actualidade do conto deste autor e a sua pertinência política, económica e social, encontra no panorama actual português um paralelo perfeito.

O Crocodilo ou O Extraordinário Acontecimento Irrelevante é um projecto ‘mutante’, que se constrói a partir de pontos de vista muito heterogéneos: o ambiente russo da escrita de Dostoievski que no conto se revela quase infantil dada a sua simplicidade de enredo e o seu carácter insólito, mas terrivelmente actual dada a crise de valores que é aí retratada; O universo imagético e a criatividade de Rui Neto que desenha uma escrita eficaz, pensada especificamente para cada actor - que aponta ritmos e dinâmicas, e que se consolida com um trabalho de encenação e concepção do espaço cénico; O espaço sonoro, criado por Cristóvão Campos, conjugando a sonoplastia com o canto e a música ao vivo. Por fim, a própria actualidade em que vivemos, da qual a peça não tenta fuga ou
abstracção, serve de filtro para uma leitura semiótica deste texto, trazendo unidade e coerência ao objecto artístico.

Os recentes projectos levados a cena por Rui Neto, Norms, 2012; Mechanical Monsters, 2015; Catch My Soul, 2017, têm uma forte componente urbana, tanto na escrita como na dinâmica da cena. São espectáculos assentes no ritmo, na velocidade, no lado maquinal e mecânico das sociedades contemporâneas geralmente visões apocalípticas ou pós-apocalípticas como pano de fundo e motor da acção. Mesmo quando não trabalha nas suas criações e nos seus próprios textos, escolhe peças que permitem mergulhar e aproximar-se dessa temática, Huis Clos, de Jean-Paul Sartre; Contractions, de Mike Bartlett; A Cabeça Muda, de Cláudia Lucas Chéu.

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.

FaLang translation system by Faboba

Podcast

Eventos


loading...