A Look at the Portuguese World

ptenfrdees

 

h facebook h twitter h pinterest

Uso errado da vida

Written by  Carlos Alberto Machado fts direitos reservados

Trata-se de um texto de ficção singular, de Paulo Rodrigues Ferreira, com a chancela da Companhia das Ilhas. 

Inspirando-se no Orestes grego, que segundo o mito mata a mãe e seu amante, Paulo Rodrigues Ferreira dá neste livro vida a um Orestes contemporâneo que, entre acusações à progenitora e a tudo o que o rodeia, vai enumerando, capítulo a capítulo, as razões pelas quais se sente desenraizado, impossibilitado de levar uma existência normal, igual à de tantos outros homens banais que conheceu. Uso errado da vida é uma tentativa de reflexão sobre o passado, o presente e o futuro de alguém que não se adaptou à realidade, que não superou o trauma e que, ao mesmo tempo, deseja experimentar felicidade, paz de espírito e bem-estar.

«A mamã emperiquitara-se na manicura, instalara mise em cima do crânio e botara vestido grená comprado a preço de saldo, sem dúvida que merecia melhores elogios do que os recebidos pelo noivo. Merecia mais do que ser chamada de presunto macio. Nenhuma mulher merecia, nem a mamã, nem ela merecia os rótulos de presunto e vaca. Orestes revoltava-se, era filho, sentia-se magoado, afundava-se no jornal e desembestava vitupérios em surdina, biltre, sebentão, coprófago, escória. A língua de Egisto deslizava pela perna da mamã, e esta sorria, qual ovelha, mé-mé, escrava, de travessa na mão: «O jantar está servido. Arruma o jornal.» A mamã servia o amante e levava chapada no rabo. Mais uma colherada de batatas, chega, chispe do bom, um brinde. O amante da mãe levava à boca um pedaço de carne e tocava com os dedos na carne (facas para quê, seu diarreia?) e cortava o bife com os dentes e punha o gargalo da garrafa na garganta e arrotava (risada da mé-mé, de ovelhinha, ai mamã lanífera). Orestes injuriava-o calado. Canastrão, canalha, enfelpado. Filho revoltado. «Deslarga o jornal», gritava a mamã, na sua língua aprimorada feita de destes, comestes, fizestes, deslarga, destroca. «Perdi o apetite», dizia Orestes. «Jantar perfeito mas.» Sem apetite, enojado, mãe nua, varizes, pêlos nas pernas, amante javardo.»

Paulo Rodrigues Ferreira, nasceu em 1984, é doutorado em História Contemporânea e ensina Língua e Literatura Lusófona na Universidade da Carolina do Norte-Chapel Hill, nos Estados Unidos. Antes de se mudar para a Carolina do Norte, ensinou em Nova Iorque, no Queens College e no Bronx Community College. Foi dono de uma pequena livraria em Lisboa, a Fyodor Books, e co-editor do projecto literário Enfermaria 6 – no âmbito deste projecto publicou um livro de contos, Sonhos de Lobo (2014). Tem estado sempre ligado à escrita e à publicação de ficção. Participou em diversas antologias, publicou livros de contos e artigos em jornais (Observador, Público, Jornal de Letras). Tem também considerável publicação académica.

http://companhiadasilhas.pt/onde-comprar/

 

 

Leave a comment

Make sure you enter the (*) required information where indicated. HTML code is not allowed.

FaLang translation system by Faboba

Podcast

 

 

 

 

Eventos


loading...